terça-feira, 25 de setembro de 2012

Jararaca-verde ou Bico-de-papagaio


 


 


A jararaca-verde (Bothrops bilineata) é uma serpente arborícola da família dos viperídeos, sendo encontrada na Amazônia e nas matas do Leste do Brasil.


 
 
 


Mesmo sendo uma espécie muito rara, é comumente encontrada na região equatorial do Brasil, a Amazônia, onde caça pássaros e mamíferos. Também é vista na Bahia e no Rio de Janeiro. É arborícola, gostando de passar toda a vida em árvores altas, onde se abriga ou se esconde. Caça também ratos, lagartos e rãs.




Bothriopsis bilineata é uma espécie pitviper venenosos encontrados na região amazônica da América do Sul. A verde pálido espécies arbóreas que podem atingir um metro de comprimento, é uma importante causa de picada de cobra em toda a Amazônia inteira. Duas subespécies são reconhecidos atualmente, incluindo os subespécie nominal descritos aqui.


 


Adultos geralmente não crescem a mais de 70 cm de comprimento, embora alguns possam chegar a 100 cm. O tamanho máximo registado é de 123 cm. O corpo é relativamente magro, com uma cauda preênsil.
 
 



O padrão de cores consiste de uma cor de fundo verde pálido que é revestida com um ou outro dorsalmente peppering um dos pontos pretos, ou uma série de tan ou avermelhada manchas castanhas que são geralmente emparelhados. As ventrais são limitadas por uma linha de creme amarelo correndo o comprimento do corpo, enquanto a barriga em si é amarelo e delimitada com um tom de verde.
 
 
 
 A última parte da cauda é rosa e fronteira com amarelo. A cabeça ou é verde com uma dispersão de pequenas manchas pretas ou verdes com isolados tan ou avermelhada manchas marrons que estão cercados de preto. A íris é verde pálido enquanto as labiais são verde amarelo, muitas vezes com manchas pretas.
 




 

Distribuição geográfica
Os subespécie nominal, B. b. bilineata, tem listras verticais escuras nas escalas supralabial e um padrão dorsal de manchas castanho avermelhado, com manchas pretas.
 
 


Suriname, Guiana Francesa, Brasil, Equador, Peru e Bolívia. Uma população isolada é conhecido da vertente atlântica do sudeste do Brasil. 


 Várzea floresta tropical, em arbustos, palmeiras e árvores, especialmente nas proximidades da água. Sempre encontrado em arbustos e árvores ao longo de córregos ou ao longo das bordas de clareiras da floresta. Principalmente associado com floresta primária, embora também foi encontrado na antiga floresta secundária perto da floresta primária.
 


Comportamento

Noturnos, esta espécie passa o dia escondido na folhagem espessa, ocos de árvores ou na base de folhas de palmeiras, e sempre em locais onde podem ancorar-se com sua cauda preênsil. Eles tendem a confiar em emboscada em vez de ativamente caça de presas.
 


Alimentação

A consistência da dieta de pequenos mamíferos, como o rato gambás (Marmosa), ratos, pássaros, lagartos e rãs. Jovens tendem a permanecer mais perto do chão para se alimentar de pequenos sapos e lagartos.
 
 

 


Reprodução

Ovovivíparas, com as fêmeas dão à luz filhotes vivos.
 


Veneno

Esta espécie é uma importante causa de picada de cobra em toda a região amazônica inteira. Devido à sua natureza arborícola, a maioria das mordidas são a parte superior do corpo, incluindo mãos, braços e rosto.
 


Os sinais clínicos incluem coagulopatia, hematomas e sangramento profundo espontânea. Sintomas relatados de histórias de vários casos incluem dor local, edema, equimose, sangramento das gengivas, perda de consciência, hematêmese, hematúria, febre, eritema, sangramento das perfurações Fang, de choque, sangramento na boca, nariz e olhos, náuseas, e sangue incoagulável. Pelo menos uma morte foi relatada.