segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Coral macho (falsa) Pseudoboa neuwiedii.


 

Nome comum: Coral macho (falsa)
Nome científico: Pseudoboa neuwiedii.
Localidade tipo: "Cote Ferme" (Restrito a Cumana, Venezuela, por ter sido selecionado por Raad e lectótipo Lancini).
Distribuição geográfica: Do Panamá ao Brasil, Trinidad e Tobago.
Distribuição conhecida na Venezuela: É encontrado em todo o país, exceto nas altas montanhas.

Descrição: Rostral visível nasal acima dividido; presente floco loreal, um e dois preocular postocular; temporais fórmula 2 2 ou 2 3. Há oito (4.5) supralabials e 8 (4) infralabials; dois pares de geneiales. 19-17 linhas dorsais. Ventral 177-201; subvolumes 64-96, em uma única linha, toda placa cloacal.
 

A coloração do "macho coral falsa" é castanho avermelhado ou sépia nas costas. A cabeça é escura e imaculada barriga de cor creme. Os juvenis são cabeça e pescoço tijolo vermelho, preto. Esta serpente comum, é noturno e se alimenta de lagartos, roedores, etc. É confundida com as cobras corais venenosas, mas difere à primeira vista deles, por não ter anéis no corpo, mas um avermelhada uniforme.



É muito gentil e alcaza medir até 1,20 metros de comprimento, e são cerca de opistoglifa dentição. Estas serpentes acasalar em datas entre setembro e dezembro. Eles são ovíparos (ovo stop), em datas a partir de abril a junho.

Opistoglifa cobra venenosa.