sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Cascavel

 
 
As cascavéis possuem um chocalho característico na cauda, e estão presentes em todo o continente americano.
 
 
 
Geralmente, refere-se mais especificamente à espécie Crotalus durissus, cuja área de distribuição se estende do México à Argentina.
 
 
A cascavel, por razões não bem entendidas, em vez de sair completamente de sua pele antiga, mantém parte dela enrolada na cauda em forma de um anel cinzento grosseiro.
 
 
 
 

 
 
Com o correr dos anos, estes pedaços de epiderme ressecados formam os guizos que, quando o animal vibra a cauda, balançam e causam o ruído característico.
 
 
Embora no conceito popular o número de anéis do guizo as vezes é interpretado como correspondente a idade desta cobra, isto não é correto, pois no máximo poderia indicar o número de trocas de pele.
 
 
 
A finalidade do som produzido pelo guizo é de advertir a sua presença e espantar os animais de grande porte que lhe poderiam fazer mal. É uma ótima chance de evitar o confronto.
 



Cascavel é o nome genérico dado às cobras venenosas dos géneros Crotalus e Sistrurus.
 
 
Espécies
 
Crotalus adamanteus
 
Crotalus aquilus
 
 
Crotalus atrox
 
 
 
Crotalus basiliscus
 
 
Crotalus catalinensis
 
 
Cascavel-chifruda, Crotalus cerastes
 
 
Cascavel-de-quatro-ventas, Crotalus durissus
 
 
Crotalus enyo
 
 
Crotalus exsul
 
Red Diamondback Rattlesnake  Crotalus exsul
 
Crotalus horridus
 
 
Crotalus intermedius
 
 
Crotalus lannomi
 
 
Crotalus lepidus
 
 
Crotalus mitchellii
 
 
Crotalus molossus
 
 
Crotalus polystictus
 
 
 
Crotalus pricei
 
Crotalus pusillus
 
 
 
Crotalus ruber
 
 
Crotalus scutulatus
 
 
Crotalus stejnegeri
 
 
Crotalus tigris
 
Crotalus tortugensis
 
 
Crotalus transversus
 
 
Crotalus triseriatus
 
 
Crotalus vegrandis
 
 
Crotalus viridis
 
 
Crotalus willardi
 
 


Cascavel-de-quatro-ventas (Crotalus durissus) é uma espécie de cascavel cuja área de distribuição se estende, descontinuadamente, do México até Argentina.
 
 
É também conhecida como boicininga, boiçununga, boiquira, maracá e maracabóia.

 
 
 


Os machos chegam a atingir 1,5 m de comprimento (as fêmeas são, em geral, menores).

O revestimento é castanho, com losangos verticais escuros, e cores claras na margem.
A parte dorsal da cauda é escura com barras transversais do mesmo tom.
A região ventral é mais clara.

Alimentam-se de mamíferos e aves. Os animais mais jovens preferem lagartos.

Foram encontradas cinco sub-espécies:

Crotalus durissus terrificus, que se distribui pelo Sul, mas também se estende pelo Oeste, até algumas áreas abertas de Mato Grosso, Rondônia, Amazonas e Pará (campos abertos de Humaitá, Serra do Cachimbo e Santarém).



 

Crotalus durissus cascavella, forma nordestina, é uma serpente característica das caatingas, que ultrapassa 1,60 m de comprimento.
 

Crotalus durissus collilineatus, encontra-se distribuída em São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais, Distrito Federal e Goiás.
 
 

Crotalus durissus ruruima é encontrada na savana de Roraima e o veneno ajuda em atividades farmacológicas e não é neutralizado pelos soros anticrotálicos comerciais.
 

Crotalus durissus marajoensis, foi descrita para as áreas abertas da Ilha de Marajó, no Pará, sendo a forma menos conhecida.